Leave a comment

Maduro responde à pressão com mão-de-ferro

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, aproveitou a realização de uma marcha de comemoração do Dia da Juventude para apelar à mobilização dos venezuelanos e à luta contra as forças estrangeiras que alegadamente querem promover uma guerra económica e apoiar um golpe militar com o objectivo de depor o seu Governo e acabar com o projecto socialista bolivariano iniciado pelo seu antecessor e mentor político, Hugo Chávez.

“Na Venezuela está em curso um golpe económico e um golpe de Estado”, repete o Presidente nas suas intervenções públicas, em que promete “mão-de-ferro chavista” contra todos os conspiradores: tanto aqueles que se movimentam na vida partidária (“e participam em eleições”, lembrou) como os que se movem no universo da economia.

O Exército recebeu ordens para reprimir os protestos de rua em nome da segurança, mesmo que para tal seja necessário usar força letal contra manifestantes. As Forças Armadas também têm ordens para atacar a “instabilidade” comercial na fonte: soldados vigiam as entradas e saídas dos supermercados e outras superfícies comerciais, e podem deter qualquer indivíduo que seja apanhado a desrespeitar o racionamento imposto pelo Governo.

Olhando para os indicadores, que apontam para uma inflação acima dos 60% e uma retracção da economia na casa dos 7%, os comentadores políticos e analistas económicos prevêem para breve uma nova onda de protestos e motins. “O Governo está sem opções. As pessoas têm de escolher entre ir trabalhar ou ir para a fila do supermercado. Não vejo quanto tempo mais esta situação possa durar sem distúrbios na rua”, observava o analista venezuelano, Alfredo Croes, em declarações ao Miami Herald.

Com o país a viver debaixo de enorme pressão com a queda abrupta das receitas do petróleo, que compõem 96% das exportações, estão lançados os dados para o aumento da tensão e conflitualidade social. O Governo aprovou um pacote de medidas económicas para corrigir o desequilíbrio orçamental e até admitiu, pela primeira vez, rever em alta o preço da gasolina. Ao mesmo tempo, Maduro decidiu expandir os programas escolares e educacionais, e aumentar em 15% os salários e pensões, numa tentativa de suster a “irritação” popular com a erosão do poder de compra.

Source: Público

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: